Espondilite anquilosante

Espondilite

anquilosante

A Espondilite Anquilosante (EA) é uma doença que causa inflamação em algumas partes do corpo, principalmente na coluna vertebral e nas articulações sacroilíacas (articulações que ficam na região das nádegas). Mas a doença pode acometer outras articulações como joelhos, tornozelos e também inflamar onde o tendão se liga no osso (entesite).

A “EA” manifesta-se mais frequentemente no sexo masculino, sendo 4 a 5 vezes mais frequentes nos homens que nas mulheres. Normalmente, os pacientes desenvolvem os primeiros sintomas no final da adolescência ou no início da idade adulta (17 aos 35 anos de idade). Filhos de pais com “EA” tem maior chance de apresentar a doença no futuro.

 

Fatores de risco para

espondilite anquilosante

Não se sabe a causa exata da doença. O que se sabe que algumas pessoas podem ter um risco mais elevado, como por exemplo homens jovens, parentes de pessoas que já tem o diagnóstico de espondilite anquilosante e pessoas que tenham a presença do fator genético, o HLAB27.

 

Sinais e sintomas da

espondilite anquilosante

Os principais sinais e sintomas da espondilite anquilosante podem variar conforme a gravidade da doença. Geralmente, eles são mais fortes no período de repouso, ou seja, durante a noite e no despertar pela manha.

  • Dor e rigidez na lombar e coluna;
  • Dos nas nádegas;
  • Movimentação da coluna e lombar limitada;
  • Fadiga;
  • Perda de apetite;
  • articulações inchadas e doloridas
  • olho vermelho

Para caracterizar a espondilite anquilosante, os sinais e sintomas devem persistir por, no mínimo, três meses. Porém, ter um ou mais dos listados acima não significa que você tem a doença. Apenas um médico pode fazer o diagnóstico correto e indicar o melhor tratamento para o seu caso.

 

Diagnóstico da

espondilite anquilosante

Para fazer o diagnóstico da espondilite anquilosante, o médico pode solicitar os seguintes exames:

  • Exame de sangue - exames gerais, exames mais específicos que avaliam a inflamação geral do corpo e também exame para avaliar se o HLA-B27 esta presente ou não.
  • Exames de imagem - como por exemplo exames para avaliar as articulações acometidas, como por exemplo através de raio-X, ultrassom e ressonância magnética.
 

Tratamento para

espondilite anquilosante

Apesar de não ter cura, o tratamento tem avançando bastante. O objetivo é aliviar a dor, melhorar a rigidez e evitar a progressão da doença.

Como tratamento não farmacológico é importante a prática regular e orientada pelo médico de atividade física.

Como tratamento farmacológico, o médico pode utilizar alguns medicamentos, como:

  • anti-inflamatórios
  • medicamentos sintéticos convencionais
  • medicamentos biológicos

O tratamento é individualizado, converse com o seu médico para saber qual o melhor tratamento para você.

 

Referências

- Wenker KJ, Quint JM. Ankylosing Spondylitis. 2020 Jul 13. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan–. PMID: 29261996.

- Raychaudhuri SP, Deodhar A. The classification and diagnostic criteria of ankylosing spondylitis. J Autoimmun. 2014 Feb-Mar;48-49:128-33. doi: 10.1016/j.jaut.2014.01.015. Epub 2014 Feb 16. PMID: 24534717

- Ward MM, Deodhar A, Gensler LS, et al. 2019 Update of the American College of Rheumatology/Spondylitis Association of America/Spondyloarthritis Research and Treatment Network Recommendations for the Treatment of Ankylosing Spondylitis and Nonradiographic Axial Spondyloarthritis. Arthritis Care Res (Hoboken). 2019 Oct;71(10):1285-1299. doi: 10.1002/acr.24025. Epub 2019 Aug 21. PMID: 31436026; PMCID: PMC6764857.

- Espondiloartrites. Sociedade Brasileira de Reumatologia. Acesso em 09/12/2020 em https://www.reumatologia.org.br/doencasreumaticas/espondiloartrites/

 

 

PP-PFE-BRA-3223