Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil

A artrite idiopática juvenil afeta crianças e adolescentes com até 16 anos. Geralmente, causa inflamações nas articulações, mas pode atingir outros órgãos, como pele, olhos e coração. Conforme a doença se desenvolve, é possível que dificulte os movimentos e até incapacite a pessoa. Conheça os fatores de risco, o que pode ser feito para prevenir e como é o tratamento.

É uma doença autoimune, ou seja, o sistema imunológico ataca o próprio organismo por engano, e não é contagiosa. A artrite idiopática juvenil atinge igualmente os lados do corpo. Por exemplo, se o joelho esquerdo está inflamado, é muito provável que o direito também esteja.

Tipos de artrite reumatoide juvenil

Pauciarticular ou oligoarticular – são atingidas até quatro articulações. As juntas dos joelhos e tornozelos são as mais afetadas normalmente. A parte colorida dos olhos também pode inflamar, sem que exista qualquer sinal visível, e gerar complicações, como glaucoma e catarata. Por isso, crianças ou adolescentes com a doença devem ir ao oftalmologista a cada três ou quatro meses.

Poliarticular – são afetadas cinco ou mais articulações. Tornozelos, cotovelos, punhos e pequenas articulações das mãos e dos pés são mais atingidos e pode haver febre. O fator reumatoide, um tipo de anticorpo, aparece em cerca de 10% dos casos.

Sistêmica – causa dores musculares e febre alta, com um ou dois picos de temperatura (39º C) por dia. Também provoca lesões na pele, gânglios e aumento do fígado e do baço. Em casos mais graves, pode inflamar a membrana que envolve o pulmão (pleura) e o tecido que reveste o coração (pericárdio). Como os sinais e sintomas parecem com os de outras doenças infecciosas, pode não ser fácil diagnosticar no início.

Artrite psoriásica infantil – ocorre quando, além da inflamação nas articulações, a criança ou o adolescente tem lesões na pele ou no couro cabeludo características de outra doença, a psoríase.

Artrite relacionada à entesite – atinge principalmente meninos, com inflamação em poucas articulações nos locais onde os ligamentos e tendões se conectam aos ossos (enteses), como no calcanhar e no joelho.

Indiferenciada – não se encaixa nos demais tipos listados. Geralmente, tem sinais e sintomas de diferentes tipos de artrite.

Fatores de risco da artrite idiopática juvenil

Não há causa comprovada, mas alguns fatores de risco da artrite idiopática juvenil são conhecidos, tais como:

Fatores não controláveis

  • Histórico familiar;
  • Infecções virais ou bacterianas constantes;
  • Mãe fumar ou ficar exposta à fumaça de cigarro constantemente durante a gestação.

Fatores controláveis

  • Tabagismo;
  • Obesidade;
  • Estresse.

Prevenção da artrite idiopática juvenil

Veja alguns hábitos que podem ajudar na prevenção da artrite idiopática juvenil, diminuindo as chances de desenvolver a doença:

Não fumar – é importante que os responsáveis orientem não apenas sobre o risco do tabaco para a artrite idiopática juvenil, mas também em relação a diversas outras doenças, como o câncer.

Manter o peso ideal – crianças e adolescentes devem ser estimulados a manter o peso ideal, tendo uma alimentação saudável e praticando exercícios físicos conforme orientação do médico.

Evitar situações de estresse – momentos de lazer e a prática de hobbies também devem ser estimulados pelos responsáveis.

Sinais e sintomas da artrite idiopática juvenil

Veja quais são os principais sinais e sintomas da artrite idiopática juvenil:

  • Articulações doloridas, inchadas, avermelhadas e quentes;
  • Articulações rígidas, principalmente durante a manhã;
  • Articulações deformadas;
  • Fraqueza ou incapacidade para movimentar as articulações;
  • Febre.

Mesmo que a criança ou o adolescente tenha um ou mais dos sinais e sintomas dos listados acima, não significa que desenvolveu artrite idiopática juvenil. É necessário procurar um médico para ele diagnosticar corretamente o problema e indicar o melhor tratamento para o caso.

Diagnóstico da artrite idiopática juvenil

Na hora de fazer o diagnóstico da artrite idiopática juvenil, o médico deve avaliar se há inflamação em uma ou mais articulações e se o problema tem mais de seis semanas. Outros sinais e sintomas também podem ajudar a identificar a doença, mas é possível que seja necessário realizar alguns exames, tais como:

Exames de sangue – não há um específico para identificar a doença. A presença de fator reumatoide pode ser um indicativo, embora a AR possa acontecer sem que o fator exista, bem como não se desenvolver mesmo que ele esteja presente. A proteína C Reativa (PCR), que indica se há inflamação, é outro sinal avaliado.

Exames de imagem – ultrassonografia, ressonância magnética e raio-X mostram sinais de desgaste nas articulações.

Como a inflamação nas articulações pode ser um sinal comum em outras doenças, todas as possibilidades devem ser analisadas e descartadas pelo médico.

Tratamento da artrite idiopática juvenil

O objetivo do tratamento da artrite idiopática juvenil é controlar a inflamação e as dores nas articulações, além de prevenir deformidades e a perda de movimentos. O tipo de tratamento varia de acordo com a gravidade da doença, veja quais são:

Medicamentos – existem algumas classes de medicamentos para diminuir a inflação e as dores, bem como alterar a evolução da doença e até a resposta do organismo a ela, tais como:

  • Anti-inflamatórios não hormonais (AINH) - diminuem a inflamação;
  • Analgésicos – aliviam a dor;
  • Corticoides - diminuem inflamação e dor;
  • Medicamentos modificadores do curso da doença (DMCD) - aliviam sintomas e alteram a evolução da AR;
  • Medicamentos modificadores de respostas biológicas (MRBS) - inibem uma substância responsável pela inflamação e danos.

Fisioterapia e terapia ocupacional – algumas técnicas diminuem a tensão nas articulações, aliviando as dores e a rigidez muscular, o que ajuda a recuperar os movimentos.

Exercícios físicos – exercícios aeróbicos que não tenham impacto nas articulações, exercícios de força com carga moderada e alongamentos fortalecem as articulações. Mas um treinamento só deve ser iniciado depois que o médico fizer uma avaliação e indicar quais tipos de exercícios a criança ou o adolescente pode fazer.

Repouso – contribui para diminuição das inflamações. Porém, ficar em repouso mais de 30 minutos piora a rigidez muscular. É importante seguir as orientações do médico sobre intercalar períodos de repouso e exercícios físicos.

Acompanhamento psicológico – a artrite idiopática juvenil tem um impacto forte na vida da criança ou do adolescente e dos familiares. É importante ficar atento ao comportamento e buscar ajuda para que todos convivam da melhor forma possível com as mudanças impostas pela doença.

Com a artrite idiopática juvenil controlada, os sintomas podem desaparecer, o que é chamado de período de remissão. Mas isso não significa que ela foi curada. É muito importante seguir o tratamento à risca. Só o médico pode indicar o melhor tratamento para cada pessoa. Converse com ele sobre as opções disponíveis e nunca medique alguém por conta própria ou permita que uma criança ou um adolescente faça isso.

Referências

 

PP-PFE-BRA-1310